Dra. Fernanda Valente | Reprodução Humana SP | WhatsApp
Agendar Consulta | (11) 99991-2499 | Telefone: (11) 3842-9532
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

Síndrome de Asherman e infertilidade

113


A fertilidade das mulheres depende da estabilidade de diversos fatores, associados à integridade estrutural do sistema reprodutivo e ao equilíbrio da dinâmica dos hormônios sexuais. Alguns acontecimentos, no entanto, podem fragilizar o aparelho reprodutivo favorecendo a formação de cicatrizes.

Mulheres que já passaram por cirurgias uterinas e até mesmo pela própria gestação podem ter mais chances de desenvolver essas lesões cicatriciais – que chamamos sinequias e que podem evoluir em um quadro mais grave, como a síndrome de Asherman.

Embora a condição possa provocar uma variedade de sintomas, uma das consequências mais complexas da síndrome de Asherman é a infertilidade – assunto sobre o qual falaremos no texto a seguir. Boa leitura!

A importância do útero na fertilidade feminina

Nos processos envolvidos na reprodução humana, o útero desempenha um papel fundamental, acomodando a gestação – desde a fixação do embrião no endométrio (nidação) até o momento do parto. Para isso, esse órgão oco, situado no centro da cavidade pélvica, se prepara sistematicamente a cada ciclo reprodutivo.

O útero é materialmente o espaço da cavidade uterina e as três camadas de tecido que compõem sua parede:

  1. Endométrio: formado por células glandulares e estromáticas, que descama na menstruação e mantém contato direto com o embrião e a placenta, na gravidez;
  2. Miométrio: constituído por um tecido muscular, com capacidade elástica e contrátil, essenciais para a gravidez e o parto, respectivamente;
  3. Perimétrio: revestimento seroso que limita o útero em relação às demais estruturas da cavidade pélvica.

Destes, o endométrio é o tecido que mais se transforma nas diferentes fases do ciclo menstrual, tornando-se espesso na fase folicular – entre a menstruação e a ovulação –, estratificado, no início da fase lútea – da ovulação à próxima menstruação –, descamando com a queda dos níveis hormonais que caracteriza a transição entre um ciclo e outro.

O preparo endometrial é fundamental para a fertilidade da mulher, por tornar o útero receptivo a um possível embrião, que venha a se formar nas tubas caso a mulher mantenha relações sexuais no período fértil.

As perturbações que afetam a integridade do endométrio – como as sinequias da síndrome de Asherman – podem comprometer a gestação por impedir a nidação, mas também favorecendo perdas gestacionais precoces.

O que é síndrome de Asherman?

A síndrome de Asherman é um quadro grave de sinequias uterinas, que se configura quando essas cicatrizes conectam regiões originalmente distantes do útero.

As sinequias são formações de tecido cicatricial que podem surgir após cirurgias uterinas e com a própria gestação. Embora, na maior parte dos casos, o endométrio seja o tecido mais afetado, as sinequias podem atingir também o miométrio.

A composição das sinequias que ocupam a cavidade uterina, bem como a os tipos celulares que formam essas aderências, são aspectos determinantes para identificar a gravidade de cada quadro, inclusive no diagnóstico da síndrome de Asherman.

De forma geral, quanto mais fibroso e denso é o tecido cicatricial, mais grave é o quadro. Na síndrome de Asherman, as aderências são formadas por tecido conjuntivo denso, mais fibroso que nos estágios mínimo e moderado da doença.

Como identificar a síndrome de Asherman?

O diagnóstico da síndrome de Asherman deve considerar os sintomas típicos da doença, mas também o histórico de saúde da mulher, já que as sinequias podem surgir como consequência de alguns acontecimentos específicos, como:

Ainda que alguns casos de sinequias em grau mínimo possam ser assintomáticos, quando a doença evolui para síndrome de Asherman, é frequente que a mulher apresente também sintomas como dismenorreia, dor pélvica e alterações no fluxo e ocorrência do período menstrual – além de infertilidade.

Síndrome de Asherman e infertilidade feminina

Uma das principais consequências da síndrome de Asherman é a infertilidade, presente na maior parte dos casos, já que a doença compromete a integridade do endométrio e o espaço disponível para o crescimento do futuro bebê.

Na síndrome de Asherman, a formação de cicatrizes fibrosas aderidas à camada basal do endométrio compromete o preparo endometrial e prejudica a interação entre este tecido e o embrião – o que é essencial para que a nidação e o início da gestação aconteçam.

Nesses casos, a infertilidade costuma se manifestar como dificuldade para engravidar, já que em alguns casos a fecundação pode acontecer, mas o endométrio rejeita o embrião, que é eliminado naturalmente sem que a mulher sequer saiba que engravidou.

Em algumas situações, mesmo com a interferência das sinequias, a nidação ainda pode acontecer e a mulher consegue engravidar, porém o comprometimento do espaço para o desenvolvimento do embrião pode provocar aborto espontâneo.

Conheça as formas de reverter a infertilidade das mulheres com síndrome de Asherman

O tratamento primário para síndrome de Asherman é a remoção das sinequias, o que normalmente é feito por histeroscopia cirúrgica. Em muitos casos, além de eliminar os sintomas, a mulher consegue engravidar com mais segurança alguns meses após a recuperação total da cirurgia.

Quando a infertilidade é persistente, a reprodução assistida pode ser indicada – principalmente a FIV (fertilização in vitro) – levando em consideração também outros aspectos da fertilidade do casal, como a idade da mulher e a presença de outros fatores de infertilidade.

Acesse mais informações sobre infertilidade feminina tocando neste link.

0 0 votes
Article Rating

Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments