Dra. Fernanda Valente | Reprodução Humana SP | WhatsApp
Agendar Consulta | (11) 99991-2499 | Telefone: (11) 3842-9532
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

Progesterona e fertilidade: saiba mais sobre a relação

149


Os hormônios são moléculas produzidas pelas glândulas do sistema endócrino e algumas estruturas do sistema nervoso central, que atuam como mensageiros bioquímicos, coordenando as atividades metabólicas de todos os órgãos e sistemas do corpo.

O funcionamento do sistema reprodutor de homens e mulheres – e por isso também a fertilidade – é uma das funções orquestradas pelos hormônios.

Neste caso, mais especificamente pelos hormônios produzidos pelo eixo hipotálamo-hipófise-gonadal, que conectam o sistema nervoso e o reprodutor:

A progesterona é o hormônio predominante na fase lútea do ciclo menstrual, que sucede a ovulação, e desempenha papéis importantes na preparação do útero e no controle da secreção de GnRH, FSH e LH.

Ao mesmo tempo, alguns medicamentos contraceptivos também podem utilizar progestágenos – derivados sintéticos da progesterona – para prevenção de uma gestação não planejada.

A relação entre a progesterona e a fertilidade é complexa e, neste texto, vamos falar de forma um pouco mais profunda sobre ela.

O que é progesterona?

A progesterona é um hormônio esteroide, ou seja, que tem o colesterol como principal matéria prima – assim como os estrogênios e androgênios. Produzida principalmente pelos ovários – mais especificamente pelo corpo lúteo, formado após a ovulação –, a progesterona também pode ter origem nas suprarrenais.

Embora o endométrio – tecido de revestimento da cavidade uterina – seja um dos principais alvos da progesterona, este hormônio também tem receptores em outras estruturas, como as mamas, colo do útero e canal vaginal.

Esses órgãos contêm células que se modificam em resposta à progesterona, no ciclo menstrual e nos períodos de gestação.

A concentração de progesterona não é constante ao longo do ciclo menstrual. Como é a interação entre corpo lúteo e LH que resulta na secreção de progesterona, a produção desse hormônio só tem início após a ovulação, quando as células que antes formavam o folículo dominante permanecem nos ovários e transformam-se no corpo lúteo.

Durante a fase lútea, a progesterona encontra receptores nas mesmas células endometriais que respondem aos estrogênios, controlando o espessamento desse tecido e aumentando a vascularização uterina. Ou seja, a atividade da progesterona finaliza o preparo endometrial, tornando o útero receptivo a um possível embrião.

Nos ciclos em que a mulher engravida, a progesterona também é essencial para manter a gestação, principalmente no primeiro trimestre – quando o corpo lúteo é mantido pelo hCG (gonadotrofina coriônica humana), produzido pelo embrião. Ao longo da gestação, a progesterona é mantida pela placenta.

Se a mulher não engravida, com a regressão do corpo lúteo, na metade da fase lútea, a concentração de progesterona começa a diminuir – até atingir seus níveis mais baixos, desencadeando a descamação do endométrio e a saída do sangue menstrual.

A progesterona desempenha muitos papéis na fertilidade

A progesterona é um hormônio essencial para a fertilidade por ser produzido pelo ciclo menstrual para participar diretamente do preparo uterino, que possibilita a nidação e o início da gravidez. Além disso, porém, a progesterona também desempenha outras funções associadas à fertilidade, como:

Alguns quadros de infertilidade podem estar associados a alterações na progesterona

A infertilidade pode ser identificada em um casal que passa mais de 1 ano tentando engravidar, sem sucesso, mesmo na ausência de outros sintomas aparentes.

Considerando todas as funções da progesterona na fertilidade da mulher, doenças que prejudicam a formação do corpo lúteo e a interação entre a progesterona e as células endometriais podem afetar as chances de ter filhos.

Algumas doenças estrogênio-dependentes também podem estar associadas a problemas nos receptores de progesterona, como os pólipos endometriais.

Neste caso, os tumores benignos formados pelos pólipos contêm mais receptores para estrogênio e menos receptores para progesterona, se comparados ao endométrio basal, de onde os pólipos se projetam. Esse desequilíbrio favorece o crescimento e inflamação dos pólipos, prejudicando a estabilidade do endométrio e a fertilidade.

A progesterona também pode participar dos tratamentos com reprodução assistida

A reprodução assistida é um conjunto de técnicas que ajuda casais com diversas demandas reprodutivas a ter filhos com mais segurança. Embora sejam procedimentos diversos, todas as técnicas de reprodução assistida começam seus tratamentos pela estimulação ovariana.

A estimulação ovariana tem como principal objetivo estimular os processos pré-ovulatórios e melhorar as chances de que a ovulação aconteça. Nas técnicas mais complexas, como a FIV (fertilização in vitro), a estimulação ovariana é mais intensa, já que o objetivo é conseguir uma quantidade expressiva de óvulos para a fecundação em laboratório.

Em alguns casos, a medicação da estimulação ovariana e a própria coleta de folículos podem prejudicar a produção de progesterona e o preparo endometrial.

Nessas situações, os embriões são normalmente congelados e a transferência embrionária é realizada no ciclo seguinte – que é monitorado e cujo preparo endometrial pode ser estimulado por medicação à base (também) de progesterona.

A progesterona e os contraceptivos

Os progestágenos – formas sintéticas da progesterona – podem fazer parte da composição de diversos contraceptivos, incluindo anticoncepcionais orais combinados e o DIU (dispositivo intrauterino).

Os progestágenos costumam impedir a gestação por dois motivos principais: por manter a produção de GnRH baixa, impedindo a ovulação, e por interferir no muco cervical, tornando o ambiente uterino inóspito tanto para espermatozoides, como para um possível embrião.

Alguns contraceptivos hormonais podem também ser utilizados para controlar algumas doenças que provocam infertilidade.

Quer saber mais sobre a infertilidade feminina? Então toque neste link e conheça nosso conteúdo completo sobre o assunto.

0 0 votes
Article Rating

Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments