Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

Quando devo procurar um especialista em reprodução humana?

1314


Desde que nasceu o primeiro bebê com o auxílio da fertilização in vitro (FIV), na década de 1970, as técnicas de reprodução assistida (TRA) tornaram-se cada vez mais populares e uma alternativa importante para superar problemas de infertilidade.

As TRA são um conjunto de técnicas que têm por finalidade facilitar ou viabilizar a gravidez para casais inférteis. Nos últimos anos, elas evoluíram e se tornaram mais acessíveis.

Considerada um problema de saúde pública mundial pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade pode ser causada tanto por fatores femininos, quanto masculinos. Nas mulheres, os mais comuns são os distúrbios menstruais, caracterizados por ciclos irregulares ou excesso de fluxo e disfunção no processo de ovulação. Já nos homens, devem ser observados principalmente problemas relacionados à ejaculação e a alterações no esperma ou nos testículos.

Neste artigo, explicarei o que é uma clínica de reprodução assistida, o trabalho do especialista em reprodução humana e como são realizadas as principais técnicas utilizadas para aumentar as chances de gravidez. Confira!

Clínicas e profissionais de reprodução humana

As clínicas de reprodução humana surgiram com o objetivo de oferecer as técnicas de reprodução assistida desenvolvidas para superar os problemas de fertilidade, como a relação sexual programada (RSP), a inseminação artificial ou intrauterina (IA ou IIU) e a FIV.

De modo geral, as clínicas têm uma estrutura com espaços dedicados às consultas e exames físico e ultrassonográficos. O laboratório de embriologia é parte fundamental no tratamento, pois é onde os gametas (óvulos e espermatozoides) e embriões serão coletados, formados e mantidos. São locais com estrutura para pequenos procedimentos cirúrgicos, sala de coleta de sêmen, sala de punção de ovários e de transferência de embriões, além de laboratório de andrologia (para preparo do sêmen) e de criopreservação.

Na maioria das vezes, a indicação para os tratamentos é do ginecologista que acompanha o dia a dia da mulher. Ele é quem solicita, normalmente, os primeiros exames para investigar os problemas de fertilidade. Da mesma maneira, o urologista é o responsável por diagnosticar a saúde do aparelho reprodutor masculino. O especialista em reprodução humana é, geralmente, um profissional da área ginecológica ou urológica que se especializou em reprodução assistida, portanto ele pode fazer toda a investigação da fertilidade do casal.

Como o especialista em reprodução humana pode ajudar casais inférteis?

O especialista em reprodução assistida é o profissional que viabiliza a realização das técnicas desenvolvidas para aumentar as chances de gravidez. O casal que está enfrentando dificuldades de engravidar pode procurar esse profissional para avaliar os motivos e as possibilidades.

Na primeira consulta, o fertileuta – profissional da reprodução assistida – precisa conhecer os pacientes, portanto faz uma entrevista detalhada para analisar, principalmente, o histórico clínico do casal e de suas famílias. Também é importante saber se o casal já passou por técnicas de reprodução assistida anteriormente.

Dependendo do caso, já podem ser solicitados exames para investigação e possível diagnóstico da infertilidade. O especialista então, com o resultado dos exames em mãos, estuda o caso e indica o melhor tratamento. Juntos, casal e profissional, definem o caminho a seguir.

Veja abaixo as principais técnicas de reprodução assistida.

Relação sexual programada – RSP

A relação sexual programada (RSP) ou coito programado (CP) é uma técnica de reprodução assistida de baixa complexidade. É indicada para aumentar as chances de concepção principalmente para mulheres que apresentam distúrbios ovulatórios, como a anovulação (ausência de ovulação).

Na RSP, o período fértil da mulher é identificado com o auxílio de exames de ultrassonografia. Em alguns casos, o casal consegue engravidar apenas mantendo relações sexuais durante o período fértil. No entanto, pode ser necessário fazer a estimulação ovariana por medicamentos orais ou injetáveis. Esse procedimento aumenta o número de óvulos produzidos no ciclo menstrual, aumentando as chances de gravidez.

A RSP é eficaz apenas quando as tubas uterinas estão saudáveis e os espermatozoides têm qualidade, uma vez que a fecundação ocorre de forma natural.

Inseminação intrauterina – IIU

A inseminação intrauterina (IIU) também é uma técnica em que a fecundação ocorre dentro do corpo feminino, mas com uma seleção prévia dos espermatozoides. Na IIU, os espermatozoides, depois de serem coletados e preparados em laboratório, são inseridos diretamente no útero da mulher com o auxílio de um cateter.

A técnica é indicada quando a infertilidade é provocada por disfunção de ovulação, alteração – de leve a moderada – nos espermatozoides, infertilidade sem causa aparente ou algumas doenças, como a endometriose em grau leve.

Fertilização in vitro – FIV

A fertilização in vitro (FIV) é a técnica de reprodução assistida mais complexa que podemos oferecer hoje. Espermatozoides e óvulos são coletados, preparados e fecundados em laboratório com o objetivo de obter embriões de boa qualidade e elevar as chances de gravidez.

Entre as indicações estão a obstrução tubária, a infertilidade causada por fatores masculinos graves ou sem causa aparente, alterações genéticas que requeiram diagnóstico pré-implantacional e quando não há resposta a outros tipos de tratamento.

As duas primeiras técnicas são de baixa complexidade e a fecundação ocorre dentro do corpo feminino, portanto a possibilidade de engravidar é similar à gravidez natural: de 15% a 25% a cada ciclo menstrual.

Já a FIV, por ser de alta complexidade e realizar a fecundação em laboratório, o percentual de sucesso pode variar entre 40% e 60% em mulheres com até 35 anos e diminui com o passar do tempo, já que a idade da mulher é determinante para o sucesso do tratamento.

Casais que estejam tentando engravidar há 1 ano (ou há 6 meses, quando a mulher tiver 35 anos ou mais de idade), já estão recomendados a iniciar a investigação da fertilidade.

Caso esteja enfrentando problemas de fertilidade, procure um especialista em reprodução assistida para auxiliá-la(o).

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e ajude seus amigos a ficarem atentos à necessidade de procurar um profissional de reprodução humana.


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *