Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:

Prostatite

1104


Prostatite é o termo utilizado para designar diferentes tipos de inflamações da próstata, glândula sexual do sistema reprodutor do homem responsável pela produção de parte do líquido seminal, que é necessário para a fecundação. Os espermatozoides precisam transpor diversas barreiras já no interior da vagina e sem o líquido seminal isso não seria possível.

As prostatites, em sua maioria, são condições dolorosas que podem afetar também as áreas próximas à próstata, como a bexiga e a uretra.

A próstata é um órgão essencial para a reprodução humana e, dependendo da inflamação e do nível de comprometimento do órgão, o paciente pode apresentar quadro de infertilidade.

As prostatites são o grupo de doenças do trato urinário mais comum em homens de até 50 anos, sendo a sua manifestação crônica a mais difícil de tratar.

Existe relação entre a doença e a infertilidade, mas não está bem determinada como isso ocorre.

Classificação das prostatites

As prostatites são classificadas em quatro categorias:

Dessa forma, há as prostatites bacterianas e as não bacterianas. Os sintomas e tratamentos são diferentes, embora os exames para o diagnóstico sejam os mesmos.

Prostatites bacterianas

As prostatites bacterianas podem ser crônicas ou agudas e ocorrem quando as bactérias que estão na uretra entram na próstata.

As agudas se manifestam repentinamente e podem ser curadas num prazo mais curto. Já as crônicas levam mais tempo para manifestar sintomas, mas também são mais difíceis de tratar, podendo resistir por muito tempo. As infecções do trato urinário difíceis de tratar podem evoluir para a forma crônica.

Os sintomas das prostatites bacterianas agudas e das crônicas são parecidos, mas os primeiros são mais intensos e podem ser tratados com mais facilidade. Já os sintomas da prostatite crônica são persistentes, embora menos intensos:

Tanto a forma bacteriana crônica como a aguda da doença são tratadas com antibióticos, já que ambas são causadas por bactérias, mas o tratamento em si depende do tipo de bactéria que está afetando a próstata.

De modo geral, os médicos prescrevem antibióticos por duas a quatro semanas, dependendo dos sintomas da doença. Também recomendam que o paciente ingira bastante líquido para facilitar a saída da bactéria, mas evite o consumo de álcool, cafeína e de outras substâncias que possam dificultar o tratamento.

Prostatites não bacterianas

As causas das prostatites não bacterianas são menos conhecidas, pois há mais fatores que interferem no desenvolvimento da doença.

As prostatites assintomáticas, um tipo de prostatite não bacteriana, não apresentam sintomas, portanto é comum que o homem descubra a doença ao investigar outros problemas urinários ou do sistema reprodutivo. Por não ter complicações, essa forma da doença não precisa ser tratada.

Já a prostatite crônica/síndrome da dor pélvica crônica tem como principal sintoma a dor persistente por meses em diversas regiões da pelve. Alguns desses lugares podem ser entre os testículos e o ânus, nos testículos em si, na lombar, no baixo abdômen e no pênis.

No entanto, também há outros sintomas relacionados a esse tipo de prostatite, como:

O tratamento desse tipo de prostatite não é feito com antibióticos, mas em determinados casos o médico pode prescrevê-los para eliminar possíveis infecções bacterianas.

Nesses casos, o médico precisa fazer uma investigação profunda de quais seriam as possíveis causas da doença para que algum tratamento possa ser indicado. Enquanto não se encontra uma causa, o paciente pode fazer uso de analgésicos para aliviar a dor.

Diagnóstico

Embora os sintomas e os tratamentos sejam diferentes para cada tipo de prostatite, a forma de investigá-las é a mesma. A primeira etapa é investigar o histórico do paciente e da família, que pode fornecer informações importante para entender a doença. Depois, o médico faz o exame físico, que inclui examinar todo o corpo do paciente e realizar o toque retal. Nem sempre, no entanto, o exame físico é conclusivo, sendo necessários exames complementares:

Feito o diagnóstico, o médico estuda o melhor tratamento.


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *