Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:

Infecção por Clamídia

1025


As infecções sexualmente transmissíveis (IST) têm uma grande prevalência no mundo e consomem um volume considerável de recursos públicos e privados para seu diagnóstico e tratamento. Muito se gasta em campanhas de prevenção para tentar reduzir o número de casos desse tipo de doença, mas as mudanças na sociedade contemporânea têm mitigado os efeitos positivos das campanhas.

A infecção pela bactéria Chlamydia trachomatis é a IST mais prevalente no mundo, principalmente devido à ausência de sintomas na maioria dos casos e ao fato de afetar tanto homens como mulheres.

As causas da doença estão relacionadas ao contato sexual desprotegido (oral, vaginal e anal), portanto a forma mais efetiva de preveni-la, assim como todas as IST, é utilizando preservativos em todas as práticas sexuais, mesmo que o parceiro ou a parceira não apresentem nenhum problema.

A clamídia também pode ser transmitida da mãe para o filho ainda durante a gestação ou no momento do parto.

Sintomas

Na maioria dos casos, a clamídia é assintomática, mas há pacientes que observam alguns sintomas depois de algum tempo da infecção, embora sejam pouco intensos e não duradouros, por isso muitas pessoas não procuram um médico.

Alguns sintomas são apresentados apenas por homens e outros apenas por mulheres.

Sintomas masculinos:

Sintomas femininos:

Diagnóstico

Como a clamídia geralmente é assintomática, é importante realizar exames periodicamente, principalmente o homem ou a mulher que tiver diversos parceiros ou parceiras.

Existem três exames que podem auxiliar o médico a diagnosticar a clamídia:

Tratamento e cura

O tratamento da infecção por clamídia é rápido, fácil e promove a cura integral da doença, mas, se negligenciado, pode levar o paciente a quadros mais sérios, principalmente a mulher. O paciente que passa pelo tratamento de clamídia precisa continuar utilizando preservativo em todas as relações sexuais porque a bactéria pode ser contraída novamente.

Cada caso deve ser avaliado individualmente, mas, como ocorre com doenças causadas por bactérias, a clamídia é tratada com antibióticos. O médico estuda o quadro do paciente e prescreve o medicamento mais adequado e sua posologia.

Consequências do não tratamento

Caso a clamídia não seja tratada, o paciente pode desenvolver outras doenças e complicações mais graves. Embora a doença afete homens e mulheres, os quadros mais graves são vistos em mulheres. A bactéria pode chegar aos órgãos internos do sistema reprodutor feminino, como ovários, tubas uterinas e útero, e levar a mulher a um quadro de doença inflamatória pélvica (DIP) ou até infertilidade. A falta de tratamento também eleva a probabilidade de gravidez ectópica, aborto ou parto prematuro.

Nos homens, a clamídia pode causar outras doenças, como a epididimite, a orquite e a prostatite.


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de