Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

Transferência embrionária na FIV

242


Principal técnica de reprodução assistida, a fertilização in vitro (FIV) é atualmente apontada como o tratamento mais eficaz para praticamente todas as causas de infertilidade, aumentando significativamente as chances de gravidez em diversas condições. Uma das etapas da FIV é a transferência embrionária.

O funcionamento do processo de transferência é o tema que vou abordar neste post. É importante acompanhar a leitura, afinal, esse é um dos principais passos para garantir que a implantação do embrião seja bem-sucedida e, consequentemente, a gravidez.

Etapas da FIV

O tratamento de FIV é realizado em etapas:

Quais são os tipos de transferência embrionária?

A transferência do embrião é um dos passos mais importantes para determinar o sucesso do tratamento de FIV.

Existem dois métodos para realizar o procedimento: transferência de embriões frescos e transferência de embriões congelados.

A transferência de embriões frescos acontece no mesmo ciclo de estimulação ovariana, quando foram coletados os óvulos para a realização da FIV. Por outro lado, a transferência de embriões congelados é feita no próximo ciclo de ovulação da paciente ou no futuro, de acordo com o objetivo do tratamento. Não há limitação de tempo para a realização da FIV se houver embriões congelados disponíveis.

Atualmente, o percentual de nascidos vivos é semelhante nos dois métodos. De acordo com pesquisas recentes, mulheres que receberam embriões congelados e frescos apresentaram índices de nascidos vivos de 48,8% e 47,3%, respectivamente.

Fatores que determinam a estratégia de transferência

Após a fertilização, os embriões podem ser transferidos em dois estágios de desenvolvimento: o de clivagem, que ocorre entre o segundo e terceiro dia (D3), ou o de blastocisto, que ocorre entre o quinto e sexto dia.

A definição do melhor estágio deve ser uma indicação individualizada, levando em consideração diversos fatores, como o desenvolvimento do tratamento, a idade da mulher, a qualidade e quantidade dos embriões formados, o número de tentativas anteriores ou mesmo questões emocionais.

Transferência embrionária em D3 e blastocisto

No terceiro dia de desenvolvimento, chamado D3, o embrião ideal tem cerca de 8 células, todas iguais sem diferenciação.

Entre o quinto e sexto dia de desenvolvimento, ele chega à fase conhecida como blastocisto. Nela, já apresenta centenas de células diferenciadas e migradas para locais específicos que darão origem posteriormente ao feto e à placenta.

Em uma gestação natural, a implantação do embrião na cavidade uterina ocorre, em média, entre 5 e 7 dias após a fertilização – período conhecido como janela de implantação –, ou seja, no estágio de blastocisto.

Entre as vantagens de realizar a transferência de blastocisto está a melhor sincronização do embrião com o endométrio no momento do procedimento, proporcionando, consequentemente, taxas mais expressivas de implantação.

A transferência nessa etapa também é a melhor indicação para casais que pretendem realizar o teste genético pré-implantacional (PGT), garantindo o tempo necessário para que a pesquisa seja realizada.

No estágio de blastocisto, o percentual de gravidez bem-sucedida por transferência única de embriões também é maior.

Por outro lado, a transferência embrionária em D3 pode ser uma estratégia para reduzir a exposição do embrião aos meios de cultivo artificiais. Nenhum meio de cultivo laboratorial é mais adequado do que o ambiente uterino.

Além disso, nos casos em que o número de embriões formados é pequeno (4-5 embriões) ou de má qualidade, a recomendação é não aguardar até o estágio de blastocisto – o cultivo em laboratório pode comprometer a sobrevida – e optar por fazer a transferência em D3.

Por esse motivo, a transferência realizada nesse estágio é, ao mesmo tempo, uma opção para falhas de implantação .

Etapas de desenvolvimento embrionário

Após a fecundação do óvulo pelo espermatozoide, é formado o zigoto, que passará por sucessivas divisões mitóticas e diferenciação celular, até a formação do embrião. Esse processo é denominado embriogênese ou desenvolvimento embrionário e possui as seguintes etapas:

Segmentação

Etapa em que ocorrem diversas divisões celulares denominadas clivagens. Progressivamente as células aumentam e continuam a se dividir, mas também começam a se diferenciar, até formarem uma massa celular denominada blastocele. Essa fase da segmentação é chamada blastocisto.

Gastrulação

Na etapa de gastrulação, é definido o plano corporal a partir da formação dos folhetos germinativos: ectoderma, endoderma e mesoderma. As células da blástula (blastocisto) se rearranjam. As que migram para região interna (endoderma e mesoderma) serão, posteriormente, diferenciadas em músculos e órgãos internos, e as superficiais (ectoderma), em sistema nervoso e pele.

Organogênese

Nessa etapa do processo de desenvolvimento embrionário, os três folhetos germinativos se diferenciam e dão origem aos órgãos internos. Ela inicia nos cordados, com a neurulação, que consiste na formação do tubo neural a partir do ectoderma, responsável pela formação de alguns tipos celulares, como os pigmentares, além de neurônios sensoriais do sistema nervoso periférico.

Conheça mais sobre a FIV tocando aqui.

0 0 vote
Article Rating


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments