Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

O que são cistos nos ovários?

67


Os hormônios exercem um importante papel ao regular as diferentes funções do nosso corpo. Essas substâncias, produzidas por glândulas, são transportadas para áreas específicas do corpo pela corrente sanguínea. Uma disfunção hormonal pode causar problemas como a dificuldade em engravidar ou o surgimento de cistos nos ovários.

O organismo feminino se prepara a cada ciclo menstrual para receber um possível embrião e, então, começar a gestação. As diferentes etapas do ciclo menstrual são reguladas pelos hormônios, responsáveis pelo amadurecimento do folículo e ovulação.

Quer saber mais sobre os cistos nos ovários? Continua a leitura do texto!

O que são cistos nos ovários?

Um cisto é uma bolsa envolta por uma fina membrana e cheia de líquido, que pode surgir em diferentes partes do organismo. Recebe o nome de cistos nos ovários ou cistos ovarianos quando surgem nessa região do corpo feminino, podendo se formar no interior ou ao seu redor.

Grande parte desses cistos são benignos, mas há raras ocasiões em que tumores considerados malignos podem surgir na forma de cistos. Quando surgem, podem provocar, por vezes, atraso na menstruação ou dificuldade para engravidar.

É comum que o cisto desapareça após alguns meses sem a necessidade de um tratamento, e muitos costumam ser assintomáticos. Entretanto, alguns casos podem necessitar de tratamento médico. Os cistos nos ovários podem surgir diversas vezes ao longo da vida da mulher.

Tipos de cistos nos ovários

O tipo mais comum de cisto ovariano é o chamado cisto funcional, que se forma durante o processo de ovulação. Essa categoria é subdividida em dois tipos: folicular e de corpo-lúteo.

O cisto folicular ocorre quando o folículo, pequena bolsa na qual está contido o óvulo, não se rompe para liberá-lo, processo chamado de ovulação. Em vez disso, ele continua a acumular líquidos em seu interior e passa a crescer e formar um cisto.

Esse é o tipo mais comum entre os cistos funcionais e costuma desaparecer de forma espontânea após algumas semanas.

Já o cisto de corpo-lúteo se forma quando o folículo, após se romper para a liberação do óvulo, volta a se fechar novamente, acumulando líquidos em seu interior. Esse tipo de cisto recebe esse nome porque o folículo, ao se romper, passa a ser chamado de corpo-lúteo.

É comum que também desapareça de forma espontânea após algumas semanas.

Os outros tipos de cistos ovarianos incluem o endometrioma, em que mulheres que sofrem de endometriose desenvolvem cistos que contêm, em seu interior, um líquido escuro e costumam causar dor. Os endometriomas são fortemente associados à infertilidade feminina.

Há também o cisto dermoide, que surge geralmente em mulheres jovens e pode conter fragmentos de material de osso, cabelo, gordura, pele, etc. Em casos raros, pode evoluir para câncer.

Por fim, o cisto adenoma, que se desenvolve a partir do tecido que reveste os ovários. Pode surgir em ambos os ovários e sua remoção requer cirurgia.

Quais são os sintomas?

Embora muitas vezes os cistos nos ovários sejam assintomáticos, existem casos em que pode ser percebida alguma alteração, que indica possíveis problemas. Na presença de sintomas, é importante consultar o médico especialista para que possam ser realizados os exames necessários.

Esses sintomas costumam aparecer quando o cisto cresce, rompe ou se torce, e podem variar de acordo com o tipo de cisto.

Alguns incluem dor constante na região pélvica ou abdominal, irregularidade ou ausência de menstruação, desconforto ou dor durante as relações sexuais, sangramento fora do período menstrual e sensação de inchaço na região abdominal.

Outros, que podem ser apontados, são aumento na sensibilidade da região dos seios, dificuldade para engravidar, náuseas, vômito e ganho de peso sem motivo aparente.

Exame e diagnóstico

Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um especialista para que ele possa realizar os exames necessários. Apresentar uma lista e frequência com que eles ocorrem é fundamental para facilitar o diagnóstico.

Os cistos nos ovários costumam ser identificáveis por meio de um exame pélvico, mas é por exames como a ultrassonografia pélvica ou a videolaparoscopia que o médico poderá determinar o tipo de cisto e, dessa forma, decidir pelo tratamento mais adequado, caso seja necessário.

Relação com a síndrome dos ovários policísticos

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é uma das doenças endócrinas crônicas de maior prevalência. Seus sintomas incluem ausência de menstruação e, consequentemente, de ovulação, por três ou mais ciclos consecutivos, ciclos menstruais com intervalos maiores que 35 dias, acne, obesidade e infertilidade.

A presença de cistos ovarianos não é necessariamente um sinal de SOP, já que no caso dessa síndrome existem cerca de 10 a 20 pequenos cistos nos ovários (múltiplos cistos), assim como a mulher desenvolve traços masculinos pelo corpo, como crescimento excessivo de pelos, uma vez que na doença há um desequilíbrio dos níveis de testosterona no organismo.

Entretanto, é importante consultar regularmente o médico especializado para que os cistos nos ovários possam ser detectados antes que haja rompimento, o que pode causar dor intensa, ou infertilidade, como é o caso dos endometriomas e SOP.

Compartilhe esse texto em suas redes sociais para informar mais mulheres sobre os cistos ovarianos e como proceder caso haja sintomas de sua presença.

0 0 vote
Article Rating


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments