Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

Fertilização in vitro (FIV): quais são as indicações?

1324


Indicada para casais que sofrem com infertilidade, a fertilização in vitro (FIV) é a técnica de Reprodução Assistida (RA) que apresenta as maiores taxas para uma gravidez bem-sucedida.

Nela, a manipulação de ambos os gametas (espermatozoides e óvulos) é efetuada em laboratório, com o propósito de obter embriões de boa qualidade. A FIV tem duas metodologias de fecundação: a clássica e a ICSI, sigla que deriva do inglês intracytoplasmatic sperm injection (injeção intracitoplasmática de espermatozoides).

Por serem procedimentos semelhantes, eles geram dúvidas. Vou esclarecer, neste artigo, as diferenças e indicações de cada um. Acompanhe o texto até o final e saiba, ainda, quais são as taxas de sucesso da FIV.

Diferença entre a fertilização in vitro clássica e por ICSI

Na FIV clássica, espermatozoide e óvulo são coletados e colocados juntos em uma placa de cultivo – recipiente cilíndrico, achatado, de vidro ou plástico, utilizado para a cultura de microrganismos. Nela, a fertilização ocorre de forma natural, como se estivesse no interior do útero, ou seja, o espermatozoide deve vencer as barreiras naturais para entrar no óvulo. Depois de fertilizados, os embriões são transferidos para o útero, para que a gravidez se desenvolva naturalmente.

Na FIV por ICSI, a fertilização também ocorre in vitro, ou seja, fora do corpo humano, em laboratório. No entanto, não ocorre de forma espontânea, mas a partir da micromanipulação dos gametas.

Nesse procedimento, um único espermatozoide, previamente selecionado, é injetado dentro do óvulo, com o auxílio de um microscópio e de uma agulha finíssima, para que ocorra a fecundação.

Os espermatozoides são colhidos de uma amostra de sêmen ou por biopsia testicular. São selecionados então os de melhor qualidade, que serão utilizados para a fecundação dos óvulos.

Indicações da fertilização in vitro clássica e por ICSI

Entre as indicações para a FIV clássica estão:

· Obstrução tubária provocada por diferentes condições;

· Fator idade (mulheres com mais de 35 anos);

· Infertilidade causada por fatores masculinos ou sem causa aparente;

· Quando não há resposta a outros tipos de tratamento de baixa complexidade.

Já a FIV por ICSI é especialmente indicada em casos de infertilidade por fator masculino grave ou quando há uma amostra limitada de espermatozoides, tais como:

· Azoospermia (ausência de espermatozoides no sêmen);

· Oligozoospermia (baixa quantidade de espermatozoides);

· Astenozoospermia (baixa motilidade de espermatozoides);

· Teratozoospermia (alteração na forma dos espermatozoides);

· Anticorpos antiespermatozoides;

· Falhas repetidas na fertilização com FIV (fertilização in vitro clássica);

· Sêmen criopreservado de pacientes que passaram por tratamento de câncer;

· Distúrbios ejaculatórios.

Além disso, é ainda importante para aumentar o número de óvulos fertilizados, independentemente do tipo de infertilidade do casal, principalmente para mulheres acima de 35 anos.

Embora haja estas indicações específicas para cada técnica, a ICSI costuma ser utilizada na maioria dos casos, para evitar o risco de não fecundação pela FIV clássica, diminuindo o número de embriões e, consequentemente, as taxas de gestação.

Por que a fertilização in vitro é indicada para cada uma das situações?

Por ser a técnica de reprodução assistida que oferece mais chances para uma gravidez bem-sucedida, a FIV é a mais adequada para casais que estão há mais tempo tentando engravidar sem sucesso, inclusive com a ajuda de outros tratamentos, e apresentam fatores de infertilidade mais graves, principalmente quando a mulher tem mais de 35 anos de idade.

Considerada um aprimoramento da FIV clássica, a ICSI oferece um tratamento efetivo para os pacientes com fator masculino grave. Se houver espermatozoides viáveis, mesmo que em baixa concentração ou recuperados por meio de punção testicular/epididimária, é possível aumentar as chances de fecundação, pois nessa técnica o espermatozoide atravessa a camada externa do óvulo e alcança a parte interna, transferindo o genoma masculino diretamente para o citoplasma oocitário.

A FIV por ICSI é indicada para fatores masculinos graves, como a azoospermia, porque com uma quantidade muito pequena de espermatozoides, que pode ser coletada por procedimentos que retiram os gametas diretamente dos testículos ou dos epidídimos, é possível fazer a fertilização.

Quais são as taxas de sucesso da fertilização in vitro (FIV)

A idade da mulher é um fator importante para o sucesso da FIV. De acordo com o resultado publicado pela Sociedade Americana para Tecnologias de Reprodução Assistida (SART), com dados preliminares de 2016, que variam de acordo com a idade da mulher, a taxa de sucesso de nascido-vivo por ciclo de FIV iniciado com óvulos próprios é: até 35 anos, 39,8%, de 35 a 37 anos, 29,9%, de 38 a 40 anos, 19,6%, de 41 a 42 anos, 10,4% e acima de 42 anos, 3,1%.

Já a taxa de nascido-vivo por transferência de embrião realizada, também com óvulos próprios é: até 35 anos, 47,6%, de 35 a 37 anos, 34,8%, de 38 a 40, 21,8%, de 41 a 42 anos, 11,2% e acima de 42 anos, 3,3%.

Além disso, de acordo com o último Congresso da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), realizado em julho deste ano, de 1978, quando nasceu o primeiro bebê com o auxílio da FIV, até os dias atuais, foram gerados cerca de 8 milhões de bebês no mundo, número que continua em crescimento.

O número, calculado com base em dados coletados de 1991 a 2014, representa um aumento acentuado na utilização da técnica para o tratamento da infertilidade. Estima-se que mais de meio milhão de bebês nasçam a cada ano pela FIV clássica ou por ICSI e que sejam realizados mais de 2 milhões de ciclos de tratamento.

No Brasil, o número de ciclos de FIV também teve crescimento, de acordo com a 11ª publicação do SisEmbrio – Sistema Nacional de Produção de Embriões –, publicada no portal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O documento aponta, ainda, que só no ano passado, por exemplo, aumentou de 33.790 para 36.307 o número de ciclos. O percentual de gravidez bem-sucedida para mulheres com até 35 anos é, em média, de 40%.

Compartilhe este post nas redes sociais e ajude seus amigos a esclarecerem dúvidas ou conhecerem mais sobre a fertilização in vitro (FIV).


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *