Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

É possível engravidar com a síndrome dos ovários policísticos?

675


A síndrome dos ovários policísticos (SOP) ocorre por um desequilíbrio hormonal nas mulheres durante a fase reprodutiva. Acometido por esta doença, o organismo da mulher passa a produzir uma maior quantidade de testosterona (hormônio masculino), afetando sua fertilidade.

Aquelas que possuem a síndrome dos ovários policísticos podem ser impedidas de engravidar de forma natural, pois a doença afeta parte dos ovários, o que resulta em um obstáculo quando há o desejo de ser mãe.

O conhecimento é uma ferramenta poderosa para lidar com qualquer doença, por isso, neste texto, abordarei as dúvidas mais importantes e recorrentes. Conheça o conceito da SOP, seus sintomas, exames, tratamento, porque afeta a fertilidade e se é possível engravidar com o diagnóstico da doença. Continue lendo e confira.

O que é a síndrome dos ovários policísticos?

A SOP é uma síndrome ou grupo de sintomas que afeta os ovários, causando desequilíbrio dos hormônios reprodutivos e, consequentemente, trazendo grandes problemas para obter uma gravidez.

Isso acontece porque os ovários são os responsáveis por liberar o óvulo a cada ciclo menstrual, processo denominado de ovulação. Após a ovulação, o óvulo tem cerca de 24 horas de vida. Caso seja fecundado pelo espermatozoide, o óvulo, agora denominado zigoto, seguirá pelas tubas uterinas (antigas trompas de Falópio) com o objetivo de se fixar no útero e dar início à gravidez.

No entanto, no caso de diagnóstico de SOP, o óvulo pode não se desenvolver como deveria ou não ser liberado (anovulação), uma vez que a SOP afeta os ovários, órgãos reprodutivos que produzem estrogênio, progesterona — hormônios que regulam o ciclo menstrual – e hormônio masculino (testosterona) em pequena quantidade. Com a hipófise, os ovários também contribuem para o desenvolvimento das características femininas, além de possuírem a função de regular a menstruação.

Então, quando a doença afeta o ovário, o órgão não consegue desempenhar sua função e alguns sinais e sintomas surgem.

Quais são os sinais e sintomas da SOP?

Os sinais e sintomas da SOP variam, mas são decorrentes do aumento de hormônio masculino circulante. Algumas mulheres começam a sentir os sintomas logo quando a doença surge. Outras só descobrem que têm SOP depois de terem ganhado muito peso ou terem tido problemas para engravidar.

Os sintomas podem ser:

No entanto, muitos desses sintomas também podem ser sinal de outras doenças, por isso o diagnóstico da SOP é por exclusão. O critério utilizado para diagnosticar SOP é que a mulher apresente dois destes três sintomas:

Por que a doença afeta a fertilidade e dificulta a gravidez?

Uma mulher que tem SOP possui um desequilíbrio hormonal, ou seja, o corpo produz em excesso androgênios, que são hormônios masculinos típicos (presente nas mulheres em quantidades menores), assim como a insulina.

Esse desequilíbrio hormonal prejudica os sinais enviados pela glândula hipófise e os óvulos podem não ser liberados, gerando o aspecto de múltiplos cistos no ovário. Quando um óvulo não é liberado, a ovulação não ocorre e a gravidez não tem como acontecer.

Sendo assim, a doença afeta a fertilidade e dificulta a gravidez porque desequilibra os hormônios da mulher, que são responsáveis pelo ciclo menstrual e por gerar a gravidez.

Quais são os exames que auxiliam a identificar a doença?

Os exames laboratoriais são fundamentais para o diagnóstico da SOP. Veja o que o médico pode solicitar.

Podem ser solicitados: ultrassonografia pélvica e testes hormonais, como FSH, LH, progesterona e testosterona. Esses testes são úteis para analisar a fertilidade feminina e se há algum distúrbio hormonal.

Na ultrassonografia, é possível avaliar se há presença de cisto no ovário ou se ele está saudável. Caso seja identificada a doença, outros exames podem ser solicitados, como glicemia, para verificar outras complicações que a SOP pode trazer, como a síndrome metabólica.

Quais são os tratamentos para SOP?

O tratamento da SOP depende dos sintomas que a mulher apresenta e do desejo de ser mãe. Para cada caso, há um tratamento específico. Vai depender das condições e do momento de vida da paciente, assim como da gravidade da doença.

Existem diversas formas de tratar a doença, podendo ser:

Outras condutas são complementares, como a prática de atividade física e uma reeducação alimentar.

É possível engravidar depois do diagnóstico de SOP?

Embora a SOP possa causar infertilidade devido a problemas de ovulação e qualidade dos óvulos, a mulher pode engravidar com SOP.

Muitas mulheres conseguem engravidar depois de realizar algumas mudanças de estilo de vida e tomar medicamentos. No entanto, algumas mulheres precisarão recorrer à fertilização in vitro (FIV) ou, dependendo do caso, a alguma técnica de baixa complexidade, como a inseminação artificial (IA) e a relação sexual programada (RSP).

Porém, é importante salientar que engravidar com SOP aumenta o risco de aborto espontâneo, diabete gestacional, pressão alta ou parto prematuro. Ainda assim, em geral, as mulheres com SOP podem experimentar uma gravidez saudável.

A melhor opção é buscar ajuda médica. É totalmente possível engravidar de forma saudável, desde que a mulher inicie seu tratamento. Com um acompanhamento médico e o tratamento adequado, o sonho de ser mãe pode se tornar realidade.

Para compreender ainda mais como a síndrome dos ovários policísticos funciona, leia aqui.


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *