Agendar Consulta | (11) 94007-6113
Fechar
Icone Newsletter
Inscreva-se na nossa newsletter

Inscreva-se e receba em primeira mão novidades e materiais exclusivos sobre Reprodução Humana produzidos pela Dra. Fernanda Valente.

Fique tranquilo que o seu e-mail estará a salvo conosco. Nós também não gostamos de SPAM!
Nome completo:
Hidrossalpinge: saiba tudo sobre a doença

Anticoncepcional: como escolher?

98


Anticoncepcional é qualquer método que evite a gravidez. Existem diversos tipos de anticoncepcionais, como a pílula, que contém uma combinação de hormônios para impedir a ovulação auxiliando a mulher e o casal a realizar seu planejamento familiar, ou seja, escolher o melhor momento para formar a família.

No Brasil, a lei que estabelece diretrizes para o planejamento familiar foi proposta a partir de uma pesquisa da Organização Mundial de Saúde (OMS), que constatou um número elevado de casais que não queriam ter filhos. Com base nessa informação, o planejamento foi realizado para melhorar a qualidade de vida e assegurar um destino digno às crianças.

Todos os cidadãos possuem o direito de escolher quando desejam formar sua família e se devem dar esse passo. Para garantir esse direito, o Estado ampliou o acesso a contraceptivos, disponibilizando diferentes tipos gratuitamente, e realizou medidas importantes como ações educativas, entre outras.

Descubra mais sobre os anticoncepcionais, tipos, quais são suas indicações, se há riscos para a infertilidade ou saúde e se é possível engravidar ao parar seu uso.

O que são anticoncepcionais?

Os anticoncepcionais são substâncias químicas que se assemelham aos hormônios naturais da mulher. Ao entrarem em contato com o organismo, sua ação de impedir a ovulação tem início para que não ocorra a gravidez.

Não só usados como contraceptivo, os anticoncepcionais também são importantes no tratamento de doenças, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP), sangramentos irregulares, TPM, endometriose, entre outros quadros clínicos.

Há diversos tipos de pílula, por exemplo, e cada uma contém um ciclo e provoca uma reação diferente. A pílula monofásica inicia o ciclo no primeiro dia de menstruação até o 5o dia e, após terminar a cartela, o medicamento deve ser interrompido por 7 dias.

Atualmente, há outros tipos que podem ser indicados. Dependendo do organismo da paciente, uma minipílula ou pílula multifásica pode ser o mais adequada. Caso a mulher ainda amamente e não deseje mais ter filhos, a minipílula é uma opção, pois não prevê interrupção.

A pílula multifásica geralmente vem em uma caixa de 24 comprimidos e seus efeitos colaterais são menores, além da ação no organismo feminino melhorar os sintomas emocionais, acne e inchaço. É necessária uma pausa de 4 dias após terminar a cartela.

Cada pílula anticoncepcional tem um tipo de hormônio sintético semelhante aos que o corpo da mulher produz. Eles podem ter diversos efeitos.

Além das pílulas e dos preservativos de barreira, camisinha feminina ou masculina e diafragma, por exemplo, outros, incluindo o DIU hormonal ou de cobre, cuja eficácia é bastante alta, injeções e adesivos, estão entre as alternativas de métodos anticoncepcionais.

É importante destacar que os anticoncepcionais são medicamentos, portanto só podem ser indicados pelo médico. Nunca se automedique. Há substâncias que podem provocar efeitos colaterais graves e apenas o médico consegue fazer essa avaliação.

Indicações

A indicação depende do organismo e do planejamento de cada mulher. O médico avalia a mulher de forma detalhada: faz uma análise minuciosa do histórico da paciente, examina seu estado de saúde e histórico familiar, realiza o exame físico, que abrange a medição da pressão arterial e o exame de mama, assim como realiza uma anamnese para conhecer mais sobre a paciente.

Com base em todas as informações, ele faz a melhor indicação. Em alguns casos, é necessário mudar o medicamento devido a efeitos colaterais.

Quando parar de usar anticoncepcional a mulher engravida?

Nenhum medicamento anticoncepcional provoca infertilidade permanente na mulher. Assim que o uso do medicamento é interrompido, a mulher pode engravidar. Esse tempo pode variar de mulher para mulher, mas o mais comum é que a fertilidade retorne logo após a interrupção.

No entanto, pode ocorrer de a mulher ter outros fatores de infertilidade. Nesse caso, se ela não engravidar é necessário consultar um médico para investigar o problema. A idade é um fator importante. Mulheres acima dos 35 anos já têm naturalmente sua fertilidade reduzida.

Diminui a fertilidade?

Não. Não há estudos que comprovem a relação entre anticoncepcional e a redução da fertilidade. A redução da fertilidade está mais associada à idade da mulher. Os anticoncepcionais são substâncias similares aos hormônios naturais que apenas impedem a ovulação durante o tempo de uso.

Como pode ser indicado na reprodução assistida?

Cada casal é avaliado individualmente. Os anticoncepcionais podem ser indicados, por exemplo, antes da fertilização in vitro (FIV) para corrigir disfunções hormonais e programar a estimulação ovariana.

No entanto, isso nem sempre é necessário. Geralmente, o casal consegue dar início à técnica de reprodução assistida indicada sem a necessidade de utilização de anticoncepcionais.

Esse texto esclareceu suas dúvidas sobre o anticoncepcional? É importante também compreender que ele age apenas impedindo a ovulação feminina. Portanto, não protege a mulher de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), sendo indispensável, nesse caso, o uso de preservativos de barreira.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais e leve a informação a mais pessoas.

0 0 vote
Article Rating


Compartilhe:

Facebook Whatsapp Linkedin

Último Post:


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments